Reprodução

Uma empregada doméstica foi demitida e não conseguiu dar entrada no seguro-desemprego porque, segundo a Previdência Social, ela trabalhava na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O problema é que Maria do Carmo Sena, de 41 anos, nunca passou nem perto do Palácio Tiradentes.



“Trabalhei por três anos, fui dispensada, ao dar entrada no meu seguro, quando cheguei lá constou que eu não podia dar entrada no meu seguro, que eu era funcionária pública. Eu nunca fui funcionária pública, aí eu perguntei: ‘por que?’. Ela [a funcionária da Previdência Social] viu que o CPF estava batendo, nome da mãe, nascimento, que eu era funcionária da Assembleia”, disse Maria do Carmo.

Nos registros do Ministério do Trabalho, Maria do Carmo é servidora. “Não conheço ninguém de político. Não conheço ninguém, nem sabia onde ficava, fui descobrir justamente nesse dia. Nunca tinha ido lá, fui sempre doméstica, nas casas de família, minha área é casa de família”, explicou.

Maria do Carmo foi até a Alerj, deu entrada na papelada para saber o que aconteceu e sofreu com a burocracia.

“Peguei esse papelzinho aqui que tem tudo detalhado que eu sou funcionária da Assembleia, fiz a ocorrência, me deram esse papelzinho aqui que eu ficaria acompanhando tudo, só que eu ligo pra lá e não me dão resposta. Me passaram que tem que fazer o B.O., voltei, para a Barra [da Tijuca], estava no Centro, gastando dinheiro de passagem sem ter, com fome, fiz o B.O., voltei, voltei lá, ‘tem que agendar’. Duas vezes eu fui ao Centro na terça-feira, 16h, eu com fome e ninguém fala nada, não resolvi nada. Disseram que iam dar um prazo, tem mais de 15 dias e nada. Eu só estou querendo que eles resolvam a minha vida, dar entrada no meu seguro e seguir minha vida”, lamentou Maria do Carmo.

A produção do Bom Dia Rio entrou em contato com a Alerj que disse que um funcionário preencheu errado uma ficha enviada para a Previdência Social. O número de CPF preenchido era o da Maria e a confusão estava feita: com o cadastro ativo como empregada, Maria não pôde dar entrada no seguro-desemprego.

Segundo a Assembleia Legislativa, as informações já foram corrigidas junto ao Ministério do Trabalho, só que neste fim de semana, o nome de Maria ainda estava como funcionária da Alerj.

A Assembleia Legislativa disse que, a partir desta terça-feira (14), o cadastro da Maria do Carmo já deve estar liberado para que ela possa, finalmente, dar entrada no seguro-desemprego.