© Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados

Futura ministra do Trabalho do governo Temer, a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) usa a conta bancária da chefe de seu gabinete no Rio de Janeiro para pagar dívida trabalhista que mantém com um ex-motorista. O valor total do débito da parlamentar com Leonardo Eugênio de Almeida Moreira, que relata no processo ter trabalhado para a deputada, sem carteira assinada, por pouco mais de um ano, é de R$ 14 mil, divididos em dez parcelas de R$ 1,4 mil.

Ao jornal o Globo, o advogado do motorista, Carlos Alberto Patrício de Souza, revelou que o pagamento mensal tem saído não da conta da ministra, mas de Vera Lúcia Gorgulho Chaves de Azevedo. “Cabe à ministra esclarecer os motivos pelos quais uma assessora parlamentar efetua o pagamento, cuja devedora é a própria ministra”, disse o advogado à publicação.

A argumentação de Cristiane diante do fato é a de que Vera Lúcia a representou na audiência da Justiça trabalhista e que, por essa razão, “o dever de garantir o cumprimento do acordado em termos de pontualidade nos pagamentos cabia a ela”.

“Assim, por estar representando a deputada e por mera questão de praticidade, cadastrou a despesa na sua conta pessoal para transferência automática a fim de evitar quaisquer atrasos. Importante ressaltar que os valores pagos são reembolsados pela deputada, restando quitadas ambas as despesas judiciais e pessoais”, diz nota enviada a O Globo pela ministra.

O salário líquido pago a Vera Lúcia pela Câmara é de R$ 10,8 mil.