Divulgação

O casal americano Scott Fricker, de 48 anos, e Buckley Kuhn-Fricker, de 43, foi assassinado por um adolescente de dezessete anos nesta última terça-feira (19/12), na Virgínia (EUA). O jovem, não identificado por ser menor de idade, era namorado da filha do casal.

O suspeito atirou nos sogros e depois disparou contra si mesmo. Ele não morreu, mas encontra-se em “estado grave”, segundo comunicado da polícia local.

Segundo o jornal “The Washington Post”, o crime pode ter sido uma vingança, já que a família do casal estava preocupada com as ideias racistas do jovem. Pouco antes de ser assassinada, Buckley descobriu contas anônimas relacionadas ao genro que divulgavam o neonazismo. Há algumas semanas, ela denunciou as postagens à escola da filha e do namorado.

Nas redes sociais do garoto, imagens de Hitler e textos pedindo uma ‘revolução branca’ eram frequentes. “Eu ficaria mal de denunciá-lo se o seu uso de internet fosse basicamente o de um jovem normal, mas ele é um monstro e eu não tenho dó de pessoas assim”, escreveu a mãe em um e-mail ao qual o “Post” teve acesso.