© VEJA Paulo Rabello de Castro, Guilherme Boulos e João Amoêdo

Enquanto não estão confirmados os nomes que concorrerão à Presidência da República em 2018, os institutos de pesquisa simulam cenários com diversos nomes. Alguns, porém, já mostram ter pouca chance de chegar lá. É o caso de Paulo Rabello de Castro (PSC), Guilherme Boulos (sem partido), João Amoêdo (Novo) e o atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), que não passam de 2% das intenções de voto.

Meirelles, que já declarou sua pretensão de concorrer à cadeira principal do país, tem 1% dos votos em dois cenários: no quadro com Lula, Jair Bolsonaro, Marina Silva, Geraldo Alckmin, Ciro Gomes e Michel Temer e na corrida com apenas Lula, Bolsonaro, Alckmin e Ciro, sem Marina e sem Temer.

Ele alcança 2% no cenário sem Lula, em que Bolsonaro lidera, seguido de Ciro Gomes, Alckmin e Alvaro Dias, ex-tucano, hoje no Podemos.

Paulo Rabello de Castro, que seria uma opção do PSC no caso de Bolsonaro não concorrer, também tem 1% da intenção de voto em quase todos os cenários – sete dos oito em que é listado. E apenas em um cenário sem Lula e sem Marina ele chega a 2%.

Já João Amoêdo (Partido Novo) e o líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), Guilherme Boulos, cortejado pelo PSOL, não passam de 1% em nenhum dos cenários de que participam.

O levantamento ouviu 2.765 pessoas nos dias 29 e 30 de novembro, em 192 cidades do país e tem margem de erro de dois pontos para cima ou para baixo.