© AFP

A chefe de gabinete da presidência do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Daniela Tagliari Kreling Lau, publicou em sua página pessoal do Facebook uma petição online em apoio à condenação e à prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A corte vai julgar o recurso do ex-presidente no dia 24 de janeiro contra a sentença do juiz Sergio Moro no caso do tríplex do Guarujá.

A publicação feita na quarta-feira passada levou vários petistas às redes sociais para contestar a imparcialidade do tribunal em analisar o caso depois da postura da servidora.

No Twitter, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), escreveu que Lula é alvo de “perseguição e ativismo político” dentro do TRF4.

O deputado federal, Pepe Vargas (PT-RS) também criticou a postura da servidora do tribunal. No Twitter, Vargas citou uma entrevista concedida pelo presidente da Corte, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, ao jornal O Estado de S. Paulo, na qual ele afirmou que a sentença de Moro contra Lula “é tecnicamente irrepreensível”.

“Já não bastava seu chefe ter dito sobre a sentença condenatória de Lula sem provas, que ela era perfeita antes de lê-la. O Golpe continua #EleiçãoSemLulaÉFraude”, afirmou o parlamentar.

Em nota, o TRF4 informou que a servidora exerceu o direito à manifestação. “A servidora Daniela Tagliari Krelin Lau, fora do seu horário de trabalho e em caráter absolutamente dissociado das funções do cargo que atualmente ocupa nesta Corte, exerceu direito constitucionalmente assegurado a todo e a qualquer brasileiro”, diz o texto.