Foto: Reprodução (Instagram)

A ucraniana Oksana Berchenko, de 27 anos, se feriu gravemente e entrou em coma após um acidente de carro que chocou o mundo no último dia 18 de outubro. Oksana (centro) foi atingida na calçada pelo carro de Alyona Zaitseva, de 20. O Lexus de Alyona, filha de um milionário, passou o sinal vermelho em Kharkiv, norte da Ucrânia, colidiu com outro veículo e atropelou, além de Oksana, mais dez pessoas. Seis delas morreram na tragédia.
Oksana acordou do coma seis dias após o acidente. Mas continuou em estado grave, sem conseguir se comunicar. Os médicos, com receio de afetar seu frágil estado de saúde, preferiram não contar que duas pessoas bem próximas a ela estavam entre os mortos da tragédia. Oksana melhorou, mas continua na cama do hospital. Quase quatro semanas após o atropelamento, os médicos decidiram que era hora de revelar o ocorrido: ela ficou sabendo então que perdera o marido, Alexander Evteev, de 27 (à direita), e a irmã, Diana, de 22.

Ainda em tratamento no hospital, Oksana falou, nesta segunda (20), sobre a terrível notícia que recebeu em entrevista feita por celular à reportagem da emissora de TV ucraniana TSN (Televiziyna Sluzhba Novyn). “Acordei do coma. Mas minha vida virou um pesadelo. Não sei o que será daqui pra frente sem a presença do meu marido e de Diana, duas das pessoas que mais amava”.

“Oksana teve lesões na cabeça e no tórax, quatro costelas fraturadas e o pulmão direito lacerado. Também quebrou a perna esquerda”, avisaram os médicos. “O número de pessoas com vidas destruídas certamente é bem maior do que as das vítimas propriamente ditas”, disse ainda Oksana sobre o acidente nas ruas de Kharkiv.

“Meu marido foi embora no mesmo dia em que fui internada. Minha irmã ficou em coma, e morreu dias depois. Por isso estou com a impressão de ter a vida devastada. Fiquei sem perspectivas. É um estado de impotência total. Nem pude ir ao enterro deles. Por isso tenho chorado muito”, ela desabafou.

O magnata não está disposto a indenizar as onze vítimas. “Fiquei sabendo que Zaitsev nos ofereceu uma pequena quantia, uma esmola para os padrões dele. O valor [de R$ 6 mil] é um suborno para que as vítimas fiquem caladas e não cobrem nada mais dele. Se depender de mim, isso não acontecerá. Mesmo que eu esteja internada, vou lutar contra esse descaso absurdo”

Quem dirigia o carro, no dia do acidente, era Alyona Zaitseva, herdeira do empresário do ramo do petróleo Zaitsev, um dos homens mais ricos do país. Ela chegou a sorrir na delegacia, logo depois que foi presa. Achou que seria solta, já que o pai é homem influente na Ucrânia. Não foi e acabou chorando ao entrar na cela.

Alyona pode pegar até dez anos de cadeia. Mas o pai tem dito que ela não ficará todo esse tempo: pretende fazer um acordo com as famílias das vítimas atingidas pelo carro de Alyona e livrar a filha da cadeia.