O jovem de 29 anos que confessou ter matado a ex-mulher e o ex-cunhado a facadas na madrugada desta quinta-feira (5) em Patos de Minas, no Alto Paranaíba, gravou uma confissão do crime em áudio e enviou por WhatsApp para diversas pessoas. A veracidade da gravação, que viralizou em grupos do aplicativo, foi confirmada pelo delegado que está à frente do caso, Érico Rodovalho. Contudo, Rodovalho não chegou a afirmar que o áudio também foi enviado para a família das vítimas. (Ouça a íntegra do áudio acima)



No áudio de 25 segundos, o autor se apresenta, diz o nome das vítimas e comunica que todos estariam mortos. Além de atacar a ex, de 24 anos, e o irmão dela, de 20, o jovem esfaqueou outra irmã da vítima, de 20 anos, que, apesar da gravidade dos ferimentos, sobreviveu ao crime.

“Oi, gente. Boa noite. Aqui é o Pedro. Todo mundo já me conhece, só tô avisando que vamos ter velórios, né? Darc, Damaris e Calebe estão mortos porque eu matei, tá ok? Estou indo na delegacia agora me entregar, tá bom? Tchau”, diz o agressor no áudio.

Segundo o delegado, durante a oitiva, realizada durante à tarde na Delegacia da Polícia Civil de Patos de Minas, o jovem reconheceu a própria voz, embora não soubesse dizer por que enviou a gravação pelo aplicativo de bate-papo. “Ele disse que não se lembrava, mas admitiu que a voz era dele”, afirmou Rodovalho.

Motivação do crime

Testemunhas disseram à polícia que era madrugada quando o autor chegou ao prédio onde a ex-mulher estava vivendo há uma semana com os irmãos de 20 e 24 anos no Bairro Caiçara. O motivo do crime seria ciúmes. O criminoso suspeitava que a ex estava em outro relacionamento.

“Ele disse que chegou a amolar a faca [usada no crime], se preparou para aquilo. Ele chamou a ex, os dois começaram a discutir e ele começou a golpeá-la em várias partes do corpo. A irmã tentou interferir e acabou atingida. A ex ele golpeou na garagem e a outra [vítima] na escada. Ele ainda foi até o apartamento, onde encontrou o irmão da ex e o esfaqueou”, contou o delegado com base no relato do jovem e de testemunhas.

Após cometer o crime, o rapaz, que trabalhava com serviços gerais, mas atualmente está desempregado, foi até a delegacia e se entregou. Detido em flagrante, ele teve a prisão convertida em preventiva à pedido do delegado e foi levado para o Presídio Sebastião Satiro, em Patos de Minas.

Suspeito de duplo homicídio teve a prisão em flagrante convertida em preventiva (Foto: Reprodução/TV Integração)
Suspeito de duplo homicídio teve a prisão em flagrante convertida em preventiva (Foto: Reprodução/TV Integração)

‘Como se fosse um jogo de futebol’

“Ele só tem um antecedente por briga em uma festa. Ouvi outras pessoas que disseram que ele era calado, na dele, mas eu o considero uma ‘bomba-relógio’, representando perigo para a vítima que sobreviveu e para outras pessoas, como o rapaz que supostamente tinha um relacionamento com a ex-mulher”, afirmou Érico Rodovalho.

De acordo com o delegado, o jovem disse que cometeria o crime de novo.

“Ele disse que se tivesse que fazer de novo, ele faria e, se tivesse mais gente, teria matado todos. Uma frieza incalculável. Apresentou-se tranquilo, narrando [o crime] como se fosse um jogo de futebol”, relatou o delegado.

Vítimas saíram do Maranhão para estudar em MG

Os irmãos esfaqueados em Patos de Minas saíram de Grajaú, no Maranhão, para estudar na cidade mineira. A vítima de 24 anos cursava psicologia e o irmão morto estudava engenharia elétrica. Já a irmã que foi levada ferida para o Hospital Regional Antônio Dias, era aluna de engenharia ambiental.

Com a ex-mulher, o jovem tinha uma filha de dois anos e nove meses, que já estava sob os cuidados da avó paterna, residente em Brasília. A Polícia Civil apurou que a criança foi levada para a casa da família do agressor devido às brigas do casal e, até esta publicação, permanecia com a avó.

A funerária que recebeu os corpos da ex-mulher e do ex-cunhado informou que o velório das vítimas começou às 16h em Patos de Minas e seguiria até as 21h, quando os irmãos seriam levados para o enterro na cidade natal.

Já a irmã sobrevivente estava no CTI do Hospital Regional, segundo a assessoria da unidade. A assessoria informou que não poderia confirmar o estado de saúde da vítima. De acordo com o Érico Rodovalho, que esteve no hospital no início da tarde, a jovem passou por cirurgia e o quadro dela era considerado estável, apesar de grave.