Agentes da Escolta Penal do Rio Grande do Norte estão em estado de greve desde o último dia 13 (Foto: Marksuel Figueredo/Inter TV Cabugi)

Os agentes penitenciários do Rio Grande do Norte decidiram voltar a paralisar as atividades a partir desta quarta-feira (20). Em estado de greve desde o dia 13 de dezembro, a categoria tinha suspendido o movimento depois que o Governo enviou para a Assembleia Legislativa um projeto sobre os níveis dos servidores da pasta.



Agora, porém, a categoria cobra mudanças no projeto e se junta aos policiais militares e civis que também estão com atividades reduzidas por atrasos nos salários. De acordo com Vilma Batista, presidente do sindicato, apenas os serviços essenciais devem ser mantidos. As visitas, audiências e banho de sol dos presos devem ser suspensas por medida de segurança durante a greve.

G1 procurou a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc) e ainda aguarda retorno sobre o assunto.

Desde esta terça-feira (19), policiais militares atuam em uma operação “Segurança com Segurança”, que reduziu o número de viaturas circulando na região metropolitana de Natal e em outras cidades do estado. Nesta quarta (20), a Polícia Civil só vai atuar nas delegacias de plantão, nas regionais, e na Central de Flagrantes da capital potiguar. As categorias cobram pagamento dos salários, que estão atrasados.

Segundo Vilma Batista, os agentes penitenciários foram surpreendidos por um projeto diferente daquele que tinha sido acordado com a categoria. “O Governo enviou um projeto que não contempla nossos níveis, reduz e congela nossos salários, pois inclusive retira nossos quinquênios. Ou seja, um projeto altamente nocivo e, por isso, não vamos aceitar e vamos paralisar novamente as atividades”, declarou.

Os níveis são a implantação das diferenças remuneratórias entre os agentes penitenciários, de acordo com o tempo de serviços prestados ao Sistema Penitenciário e capacitação do agente através de cursos.

Vilma Batista ainda lembra que os agentes penitenciários também estão com salários atrasados e vão se somar a outras categorias que deliberaram por paralisar suas atividades nesta quarta-feira. Segundo o sindicato, vários agentes penitenciários do interior estão em Natal participando da mobilização.